38 Anos do Teatro de Roda!

Na página 203 do livro A Universalidade da CEU – Histórias da Casa do Estudante Universitário, Domingos Moura perguntou, ao fim da entrevista – “Saímos do Labirinto?” Mariozinho Telles respondeu – “Estamos procurando a saída do labirinto. Queremos encontrar a receita do Dédalo.  O Dédalo que conseguiu sair do labirinto, quer dizer, na verdade ele não conseguiu sair, ele conseguiu prender o Minotauro no labirinto. O Ícaro, então, veio para salvar o Dédalo, que havia construído o labirinto para aprisionar o Minotauro. Mas estamos todos aprisionados no labirinto, buscando a saída. Penso que devemos dar as mãos, numa grande corrente, e essa há de ser o nosso fio de Ariadne.”

Envoltos por um grande labirinto, lutamos diariamente com os depautérios de estupendos “minotauros” que: ora se recolhem, ora nos ameaçam, ora estraçalham. E as mãos dadas “numa grande corrente”, como o “fio de Ariadne”, podem ser traduzidos pela nossa humanidade e pelo fortalecimento da nossa cultura, aqui num recorte nominado Teatro de Roda, que completa 38 anos de atividades e inovações, fruto das incessantes pesquisas de linguagens do teatrólogo Mariozinho Telles, que tem continuidade pelas mãos da atriz e diretora Maria Rita Rezende.

Em 1976 Mariozinho Telles queria montar “um espetáculo alternativo, experimental, independente, que estava justamente questionando a atitude do indivíduo em relação às forças que se impunham” no país, daí propôs ao então diretor Luiz Dulci, que discutiu em assembleia com os estudantes residentes, e houve a estreia de Strip-tease em alto mar, do polonês Sawomir Mrozerk. Em seguida montou o Teatro Labirinto sucesso no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, com grande repercussão no Brasil, EUA e Europa. A partir daí vieram outros trabalhos com sua direção, como o Projeto Clássicos do Teatro: “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare, “Antígona”, de Sófocles, Comédias de Arthur Azevedo no Repertório, entre outros, como “Romeu e Julieta com linguagem para a web, em tempos de pandemia, sob a supervisão de Maria Rita Rezende 

Entrevistada por Carlos Dei Ribas para o programa Navelouca, da Rádio Revolução (em 2019), Maria Rita Rezende disse que Mariozinho Telles ficou conhecido pela ousadia e pelos seus teatros alternativos, sempre criando uma nova pesquisa de linguagem, sempre trazendo uma forma diferente para cena desde Strip-tease em alto mar passando pelo Teatro Labirinto, que influenciou muitas gerações…” Ela conta que já na década de 1980, Mariozinho Telles desenvolvia uma nova linguagem teatral com as cantigas de roda, no qual as o público participava da cena brincando na roda onde o espetáculo acontece, com os personagens surgindo a partir destas cantigas, nascendo daí o seu Teatro de Roda.

Maria Rita Rezende e Mariozinho Telles cruzaram seus destinos em uma peça, no antigo Dops (Departamento de Ordem Política e Social) “Lembrar e resistir”, com direção de Nelson Xavier, que ao fim da temporada decidiram transformá-la em um longa metragem (que não entrou no grande circuito), para o qual ela foi convidada a participar. A partir daí, foi convidada por Telles a conhecer o seu curso na Escola de Teatro Martins Pena (Rio) que tinha o objetivo de dobrar a pesquisa de linguagem do Teatro de Roda e assim os dois se envolveram a partir do trabalho e o o relacionamento amoroso não foi programado nem combinado, quando viram, já tinha acontecido e se juntaram pelo trabalho e com o trabalho tornaram-se parceiros de vida e de palco.

Mariozinho Telles / Teatro de Roda e a CEU

O jornal Flitoral não poderia deixar de homenagear os 38 anos do Teatro de Roda e o seu criador, Mariozinho Telles, com quem os editores Domingos Moura de Oliveira, Carlos Dei Ribas e João Bosco Gomes tiveram estreita relação de parceria, na Casa do Estudante Universitário – CEU (Rio) quando era ali residentes (e de cuja pedagogia nasceu o jornal Flitoral, entre outras coisas), iniciada no final dos anos 1970, no processo do Teatro Labirinto.

Esta relação se estendeu ao longo dos anos, culminando com longa entrevista concedida por Telles para o nosso livro A Universalidade da CEU – Histórias da Casa do Estudante Universitário e a permanente parceria com o Grupo Teatro de Roda, que enriqueceu os eventos de lançamento desse livro (2017) e já participou de diversas edições da OFF Flip, presencial e online (organizadas e produzidas pelo jornal Flitoral).

“A CEU foi um oásis. Um ponto estratégico, uma trincheira fundamental para a articulação da resistência. A resistência em todas as áreas: política, artística, cultural. (…) Tenho a CEU no melhor lugar da minha lembrança. Gostaria imensamente que fosse possível uma articulação que pudéssemos restabelecer, recriar e fundar um espaço multicultural, onde convivessem poetas, artistas visuais, artistas de cinema, das artes plásticas, artistas de teatro, escritores, ao mesmo tempo. No momento, estamos vivendo uma época de especializações, em que as áreas artísticas se afastam cada vez mais umas das outras, e as áreas técnicas também. Então, esse universo de adversidades é uma necessidade para realimentação de cada área. Aspecto fundamental no período de existência da CEU.” Mariozinho Telles.

(no livro A Universalidade da CEU – Histórias da Casa do Estudante Universitário-pág. 199)

SERVIÇO:

38 Anos do Teatro de Roda!

http://youtube.com/teatroderoda

Programação – Sábado – 12/06/2021

16h – Apresentação do Evento

Com Luciana Albertin e Carolina Bento

16h30 – 1° Mesa de Abertura: 38 Anos do Teatro de Roda. Memória, História, Registros e Narrativas do Sentir

Com Bettina Bruno, Wilton Montenegro e Maria Rita Rezende.

Mediação: – Karina Diniz.

18h30 Mesa 2 – Arte e Educação: A oralidade, a transmissão, o aprendizado, as formas de encenar e ensinar e o papel pedagógico que cumpre o teatro na educação básica

Com Roberta Mancuso e Silvana Bayma.

Mediação: Maria Rita Rezende.

20h15 –  Comentários do professor Lenilson de Mello sobre o Projeto Clássicos do Teatro.

.20h30 – Apresentação de Cenas da Megera Domada com os alunos da turma avançada do Projeto Clássicos do Teatro que acontece no Laura Web:

Anísio Brahim, Carol Martins, Fabio de Lima, Kayana Lima, Lenilson de Mello, Maria Teresa Monteiro

Direção: Maria Rita Rezende

Ass. Direção: Luciana Albertin

EXPEDIENTE:

Publicação Editoração e Comunicação – CNPJ 13701141/0001- 83; Inscrição Municipal – 43168; Diretor – Domingos M. Oliveira; Jornalista Responsável -Carlos Dei S. Ribas – MTb/RJ 15.173; Conselho Editorial – João Bosco Gomes, Carlos Dei S. Ribas, Juçara Braga, Domingos M. Oliveira; Telefone – (24) 3371-9082  –  WhatsApp (24) 99972-1228; Email: flitoral@paraty.com ; Inscreva-se no nosso Canal no Youtube: @Flitoral 

** As opiniões nos artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião do jornal.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe um comentário