Homenagem a Edeor de Paula, compositor do samba-enredo “Os Sertões”, inspirado em Euclides da Cunha

5 de outubro de 2020
Edeor de Paula

O compositor-sambista Edeor José de Paula, Edeor de Paula, autor do samba-enredo “Os Sertões”, que lhe rendeu o Estandarte de Ouro, em 1976, pela Escola de Samba Em Cima da Hora, faleceu em 1 de outubro de 2020, deixando um legado musical de importância ímpar, com mais de 20 sambas-enredo gravados. Apresentado pela atriz e escritora Cícera Maria, participou da Off-FLIP 2019 – A Flor da Favela , durante a Festa Literária Internacional de Paraty – FLIP, juntamente com o cineasta Noilton Nunes, que levou ao evento as Caravanas Euclidianas, na qual o compositor esbanjou simpatia e cantou seu maior sucesso “Os Sertões”, inspirado no homenageado daquela edição da FLIP, o escritor  Euclides. da Cunha.

Viúvo, mecânico, aposentado como vigia, Edeor de Paula é carioca, nascido em 16 de Dezembro de 1932 à Rua Marquêss de São Vicente, na Gavea, filho de Francisco José de Paula e de Carmem Diniz de Paula, morava no bairro da Freguesia, em Jacarepaguá, pai de quatro filhos, frutos de dois casamentes, o primeiro com Selly Teles e, o segundo, com Iandir da Silva (ambas falecidas) e de um filho adotivo. Adepto da simplicidade, Edeor de Paula gostava de uma longa prosa, regado a uma cervejnha com os amigos, reverenciando o time do coração, o Botafogo e cantarolando sua música preferida, “Os Sertões”.

“Como ele mesmo diria, fechou com chave-de-ouro. Em fevereiro de 2020, mais uma vez teve um samba escolhido para desfilar na Avenida, dessa vez pela G.R.B.C. Hora Certa mas saiu na Avenida por sua Escola do coração,  G.R.E.S. Em Cima da Hora. (…) Apesar da tristeza e da saudade, me restou o consolo de que ele, no período em que nos conhecemos, pediu-me para escrever a sua biografia”, palavras da atriz e escritora Cícera Maria que, após a Offflip 2019, conviveu com o compositor, e deverá lançar este trabalho na Offflip 2021.

Folha do Litoral Costa Verde