17ª OFFflip OBS – Projeto “Literatura como a voz do meio ambiente”

Torto Arado e Os Sertões: dois tempos e uma estrutura (16h)Palestrante: Guto Mello

Foi boto, sinhá!”: (Re)leituras do mito na literatura e na música amazônicas (14h)Palestrante: Karla Niels

Os momentos reunidos em um Evento Literário têm mostrado o que é óbvio para quem lida com a Literatura: tudo é possível de ser discutido quando se tem – por intermédio – um romance, uma poesia, os contos de determinado autor, até mesmo o folclore. A natureza não estaria ausente nesses debates literários. Tendo em vista o tema “Cultura e Biodiversidade”, a proposta é falar sobre o Meio Ambiente tendo, como porta-voz, obras literárias.

Por ser um caminho com menos espinhos, a Literatura traz diferentes linguagens; trata-se de uma vivência, respeitando a diversidade, a multiplicidade. Por estarmos vivendo numa crise de valores, em que o dia a dia nos traz situações que não estamos sabendo lidar, as várias vozes e os lugares diferentes presentes na obra literária podem trazer leveza ao debate. É, sobretudo, uma imersão sociocultural.

A Nós Educação realizará duas palestras online, com duração de 1 (uma) hora cada, feitas pelos seus parceiros de projetos e mediações literárias. Tais apresentações acontecerão pelo site www.folhadolitoralcostaverde.com e canal Flitoral-Youtube do parceiro OFFflip, no dia 19 de agosto de 2021.

A Nós Educação é uma empresa plural, que pensa a Educação a partir das diversas esferas em que ela pode (e deve) atuar. Sua missão é qualificar professores e outros profissionais em diversos campos do saber por meio de facilidades hoje amplamente acessíveis, graças à evolução da EaD. Por meio de cursos livres transformam o futuro em presente: se o mundo já vivencia a Educação 4.0, estão de olho no próximo passo. “Afinal, vamos te dar corda, para criarmos laços e desatarmos quaisquer nós”.

Palestras

Torto Arado e Os Sertões: dois tempos e uma estrutura – A apresentação tem o propósito de mostrar os elementos estruturais quase atemporais sobre a fome, miséria e coronelismo pautados na obra histórica de Euclides da Cunha no final do século XIX e a obra Torto Arado, de Itamar Vieira Jr, mostrando um cenário que parou no tempo e obras verossímeis. Trata-se da seca e o determinismo geográfico.

Foi boto, sinhá!”: (Re)leituras do mito na literatura e na música amazônicas – Um homem alto, esguio e belo. Terno branco, alinhado, chapéu à prumo. Bom dançarino, galante, exímio sedutor; sempre presente nas festas à beira do rio a seduzir as donzelas que dificilmente resistem aos seus encantos. A descrição poderia ser de qualquer tapuio paraense de fins do século XIX; essa, no entanto não diz respeito a um homem, mas a outro mamífero, o boto. Mas não qualquer boto, trata-se do boto encantado que em noite de festa toma a forma humana a fim de conquistar uma moça e levá-la ao seu reino, ao fundo do rio. O mito foi mote para diversas releituras quer na literatura, quer na música, quer no cinema. Esse, no entanto, revela muito mais do que uma crendice, posto que, descortinadores de uma terrível realidade social. Na presente palestra, falaremos da figuração do mito do boto, e sua relação com os ribeirinhos, em uma canção e em três narrativas amazônicas.

Palestrantes

Karla Menezes Lopes Niels é doutora em Estudos de Literatura pela Universidade Federal

Fluminense (UFF), mestra e graduada em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É professora substituta no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio deJaneiro (IFRJ), professora docente I na Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC-RJ) e professora tutora no Consórcio CEDERJ/UFF/UAB, atuando, respectivamente, no ensino médio e na graduação em Letras, nas áreas de Teoria da Literatura, Literatura Brasileira, Literatura Portuguesa e Língua Portuguesa. Seus interesses de pesquisa voltam-se, sobretudo, para o fantástico na literatura brasileira e para o ensino de literatura.

Guto Mello é graduado em Ciências Sociais, pelo UGB-FERP, tem especialização em História do Brasil e em História da Arte. Possui experiência no Ensino Médio e em cursos pré-vestibulares como professor das seguintes disciplinas: História, Sociologia, Filosofia e Literatura. É escritor e membro da Academia Volta-Redondense de Letras.

Flitoral Comunicar@ções para a vida

Contribua com esta produção: faça um PIX a partir de R$ 10,00 e Concorra ao Sorteio de uma Cesta Básica – OBS. Chave do PIX 22.841.425/0001-66. Envie o comprovante do PIX para flitoral21@gmail.com

SERVIÇO:

Projeto “Literatura como a voz do meio ambiente”

Foi boto, sinhá!”: (Re)leituras do mito na literatura e na música amazônicas (14h)Palestrante: Karla Niels

Torto Arado e Os Sertões: dois tempos e uma estrutura (16h)Palestrante: Guto Mello

DIA: 19/08 (quinta)

HORA: 14h e 16h

LOCAL: www.folhadolitoralcostaverde.com e @flitoral/Youtube

EXPEDIENTE:

Publicação Editoração e Comunicação – CNPJ 13701141/0001- 83; Inscrição Municipal – 43168; Diretor – Domingos M. Oliveira; Jornalista Responsável -Carlos Dei S. Ribas – MTb/RJ 15.173; Conselho Editorial – João Bosco Gomes, Carlos Dei S. Ribas, Juçara Braga, Domingos M. Oliveira; Telefone – (24) 3371-9082 – WhatsApp (24) 99972-1228; Email: flitoral@paraty.com ; Inscreva-se no nosso Canal no Youtube: @Flitoral

** As opiniões nos artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião do jornal.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe um comentário