Quem vive tem, teve ou terá. Medo.

1 de maio de 2020

Juçara Braga

Quem vive tem, teve ou terá. Medo. Agora, me assalta o medo da notícia. Notícia de perda próxima. Meu coração se esfacela com as notícias sobre casos distantes. Não pela morte, mas pela dor. Não tanto pela dor, mas pela falta. Falta de assistência, falta de chance de salvamento, falta de ar.
Tudo isto pode nos alcançar. A nós quem? Será por isso que tenho medo? Porque a falta pode me alcançar? A falta pode alcançar meus amados? Que feio. Na verdade, não penso no alheio, penso no próximo, nos amores que me sustentam.
Essa pandemia nos coloca à prova. Essa pandemia nos pergunta quem somos. Quem somos nós que nos vemos, mas não nos enxergamos, de fato. Nós que parecemos solidários, mas deixamos cada um no seu quadrado. Sem culpa. Sem contato. Isolados numa realidade absurda que admite crianças na rua, gente catando no lixo, cães sarnentos, famintos, transitando pelas praças com seus olhos tristes. Todos desvalidos. Todos sem chance de salvamento.
Esses somos nós. Essa é a velha e atual realidade. Depois de o caos nos atingir, de perto, veremos qual será a nova realidade. Enquanto isso, convivamos com o medo.
A outra opção é mudar. E lutar. E não aceitar pessoas catando no lixo, crianças pedintes nas ruas, cães sarnetos com seus olhos tristes despejados nas praças.
Se ainda estivermos aqui depois dessa pandemia, resta saber quem seremos, que nova sociedade construiremos. Se formos os mesmos, teremos perdido a guerra para o vírus. E ele vai voltar. Mais forte. Quem ficar, verá. (Juçara Braga – 22-04-2020)


Juçara Braga é jornalista e escritora. Autora do livro de causos ‘Perdi meus olhos no travesseiro” (2015), hoje se aventura pelo universo de crônicas e contos. Graduada pela Faculdade Hélio Alonso (1982), trabalhou na Rádio Tupi, TV Manchete, Tribuna da Imprensa e no Jornal do Commercio (RJ), foi chefe de Comunicação do Sesef (Serviço Social das Estradas de Ferro) e colaboradora do Jornal Abaixo-Assinado de Jacarepaguá.
Em São Paulo, atuou no Diário Popular, na revista Enfoque Feminista publicada pela União de Mulheres de São Paulo e criou a agência Só Texto Comunicação. De volta ao Rio, foi assessora de imprensa na área de Gás e Energia da Petrobras.
A partir de agora temos a honra de contar com o seu talento como colaboradora nas fileiras do Flitoral Costa Verde.

Folha do Litoral Costa Verde