Morre o mestre do Cinema Brasileiro, Maurice Capovilla

31 de maio de 2021

O cineasta, ator, roteirista e produtor brasileiro Maurice Capovilla faleceu em casa, no Rio de Janeiro, neste sábado, 29 de maio de 2021, aos 85 anos.

Maurice Capovilla – Produção e Consumo para o Bem Viver – Refletir Brasil 2014

Diretor, ator, produtor e professor de cinema e televisão, pertence à primeira geração do Cinema Novo. Foi Diretor do Departamento de Difusão da Cinemateca Brasileira, lecionou no Departamento de Cinema da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, Departamento de Cinema do Instituto Central de Artes, ICA da UNB e na Escola Internacional de Cinema e Televisão de Cuba. Participou do movimento do Cinema Novo de São Paulo, da direção de documentários para as TVs Globo, Bandeirantes, Manchete e TV Cultura. Dirigiu o Instituto Dragão do Mar de Arte e Indústria Audiovisual do Ceará e o NPD-AC da Usina de Arte do Acre.

Capô, como era carinhosamente chamado por amigos e familiares era representante da “linha mais engajada” do Cinema Novo, estreou como cineasta nos anos 1960 – com os curtas “União”, em 1962, “Subterrâneos do futebol”, em 1964, e com o longa “Bebel, garota propaganda”, em 1968, com roteiro de sua autoria, baseado no conto “Bebel que a cidade comeu”, de Ignácio de Loyola Brandão. Seu filme “Meninos do Tietê” (1963) foi eleito o melhor filme na 1ª Semana Latino-Americana de Cinema Documental, em Buenos Aires.

“Em 1968, participa do Comitê Internacional do Cinema Novo para lutar contra a censura. Em 1970, dirige seu segundo longa, O Profeta da Fome, premiado no mesmo ano com o melhor argumento e roteiro no Festival de Brasília e melhor filme no Prêmio Molière no Air France do Cinema. O filme é inspirado no texto Estética da Fome, do diretor de cinema Glauber Rocha (1939-1981)” http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa547887/maurice-capovilla

Dirigiu as séries Globo Shell e o programa Globo Repórter, da TV Globo nos anos 1970; nos anos 1980, foi diretor de núcleo da Rede Bandeirantes. Em 2003 realizou como diretor e roteirista o longa metragem “Harmada” filmado em Paraty; em 2005 trabalhou como ator no filme “Donde comienza el camino”.

Na década de 90 Capó dirigiu a programação da EcoTV em Paraty e em 2015 foi um dos fundadores do Núcleo Paraty. Capovilla “realizou inúmeros projetos e idealizou sonhos ainda por realizar; um guerreiro de tantas lutas, criativo, dançarino da vida”. Em 2016 estreou seu último filme, Nervos de Aço , com roteiro escrito a partir das composições de Lupicínio Rodrigues, que narra os conflitos de um triângulo amoroso. Seu legado ficará cravado na história do Cinema Brasileiro.

Capô era casado com Marília Alvim há 39 anos, com quem não teve filhos. É pai de Lia, Matias, Adriana e Mayra.O Conselho Editorial do jornal Flitoral externa seus sentimentos à família e dedica este poema ao mestre Capô:

Cinema de Capô

Mestre do olho de fino cristal
que acendeu a chama do pavio
do cinema marginal

Transcendendo espaço tempo
O fogo do pavio da sua vela
em nova verdade se revela

Projetando o seu “Lampião”
alumia as veredas do sertões
dos que foram para os que virão

Sem armas, a sua “Harmada”
em metáforas de “O Profeta da fome”
Reflete o seu genial esplendor

Na ginga de dançarino jogador
No “jogo da vida” com” Nervos de aço”
dribla o medo para vencer a dor

Na ressurgência das suas memórias
A tela sideral projeta do seu olhar
o transcendental Cinema de Capô 

Filmografia
FILMOGRAFIA: Meninos do Tietê -( 15′- 1963) , Subterrâneos do Futebol ( 30′- 1964 ) , Bebel, Garota Propaganda ( 100′-1967 ) , O Profeta da Fome ( 95′ – 1969 ) , Noites de Yemanjá ( 100′- 1971 ) , Loucura -episódio de Vozes do Medo ( 15′- 1972) ,Do Grande Sertão ao Beco da Lapa ( 50′-1972) , O Último Dia de Lampião ( 52′ -1973 ) , Bahia de Todos os Santos ( 52′ – 1973 ) , O Jogo da Vida ( 90′ – 1975 ) , O Boi Misterioso e o Vaqueiro Menino ( 75′ – 1981 ) , Crônica à Beira do Rio ( 70′ – 1981) O Princípio e o Fim ( 60′- 1981) , Os Brasileiros – ( 12 episódios de 50′-1983-1985 ) Desafio do Mar – Série de 10 documentários de 50′ – 1986-87 ) Viagens às Terras de Portugal ( série de episódios de 50′- 1988 , Harmada ( 100′ 2002-03, Nervos de Aço – (2012/13).

  • EXPEDIENTE:

Publicação Editoração e Comunicação – CNPJ 13701141/0001- 83; Inscrição Municipal – 43168; Diretor – Domingos M. Oliveira; Jornalista Responsável -Carlos Dei S. Ribas – MTb/RJ 15.173; Conselho Editorial – João Bosco Gomes, Carlos Dei S. Ribas, Juçara Braga, Domingos M. Oliveira; Telefone – (24) 3371-9082  –  WhatsApp (24) 99972-1228; Email: flitoral@paraty.com ; Inscreva-se no nosso Canal no Youtube: @Flitoral

** As opiniões nos artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião do jornal.

Folha do Litoral Costa Verde